quinta-feira, 19 de outubro de 2017

2018: QUADRO ELEITORAL



2018, QUADRO ELEITORAL,                                       por Theodiano Bastos

Sem nenhuma dúvida, as eleições de 2018 terão as mais disputadas e acirradas, porquanto têm o maior significado: serão eleitos o presidente da república, os governadores, deputados federais e estaduais e dois senadores para cada estado

Eleições 2018: Candidatos na pista

A um ano da largada oficial, quatro políticos já estão na corrida pelo Planalto: Lula, Ciro Gomes, Jair Bolsonaro e Alvaro Dias

VEJA, 22/07/19, Por Edoardo Ghirotto
“O Brasil está a menos de um ano das convenções partidárias que lançarão os próximos candidatos à Presidência da República. As siglas políticas poderão se reunir entre 20 de julho e 5 de agosto de 2018 para definir as chapas que deverão ser inscritas até o dia 15 de agosto. O primeiro turno das eleições será em 7 de outubro.
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) já está em campanha. O petista, sentenciado pelo juiz federal Sergio Moro a nove anos e seis meses de prisão no âmbito da Operação Lava Jato, só poderá se lançar como candidato se não for condenado em segunda instância.

Outro político que já está na corrida é o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), que deve trocar de partido e tem se portado como um antagonista à candidatura de Lula. Ele terá até o dia 7 de abril para estar filiado a uma sigla. Também já estão na pista o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) e o senador Alvaro Dias (Podemos-PR).

A ex-senadora Marina Silva não tornou oficial sua pré-candidatura, mas a Rede – partido que preside – trabalha internamente com os cenários que ela terá de enfrentar para não perder a terceira eleição consecutiva – chegou em terceiro lugar em 2010 e 2014. No PSDB, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, conseguirá se lançar na disputa se barrar o crescimento do prefeito paulistano, João Doria, e superar a tímida concorrência do senador José Serra (SP).
Há ainda surpresas que podem aparecer na disputa, entre elas o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa, que conversa com a Rede e o PSB, o atual ministro da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), e o senador Cristovam Buarque (PPS-DF). Já o PMDB, o maior partido do país, deve entrar em mais uma eleição sem ter uma indicação própria ao Planalto.

Lula 


Lula tem maior rejeição entre possíveis candidatos à Presidência.

A rejeição ao nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Presidência da República se mantém a mais alta entre os possíveis candidatos à disputa em 2018. De acordo com levantamento realizado pelo Instituto Paraná Pesquisas divulgado em 29/07/17, 55,8% dos eleitores não votariam em Lula.
O ex-presidente lidera em intenções de voto nos levantamentos do Ibope. Lula, porém, foi condenado, em julho, pelo juiz Sérgio Moro por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Caso a segunda instância confirme a sentença, Lula estará inelegível pela Lei da Ficha Limpa - que impede que condenados em segunda instância concorram. Tudo depende de quando e se o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) confirmar a decisão de Moro. Um dos aspectos mais relevante, no entanto, da disputa de 2018 é o que chamam “fator Lula”. O equilíbrio das forças seria alterado com a participação do ex-presidente nas eleições de 2018. 
 

O ex-presidente Lula lidera a corrida para o Planalto com 30% das intenções de voto, segundo pesquisa Datafolha de junho (Ricardo Matsukawa/VEJA.com)
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de 71 anos, é a única opção que permite ao PT sonhar com o retorno ao Palácio do Planalto. A última pesquisa Datafolha, de 26 de junho, mostrou que o petista tem 30% das intenções de voto no primeiro turno – Bolsonaro, segundo colocado, soma 16%. A candidatura depende, no entanto, da decisão que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) emitirá sobre a condenação do petista em primeira instância.
Se o TRF4 validar a decisão de Moro antes de 15 de agosto, prazo final para o registro de candidaturas, o ex-presidente será enquadrado na Lei da Ficha Limpa e ficará inelegível. Caso a decisão seja proferida após a data limite, Lula ficará com a candidatura pendente de uma decisão judicial.
Há alas dentro do PT que defendem um boicote do partido às eleições caso Lula seja impedido de concorrer, sob a alegação de que o pleito seria fraudulento. O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, principal alternativa do partido à candidatura do ex-presidente, contabilizou apenas 3% das intenções de voto na última pesquisa Datafolha. Outro cenário possível para a sigla seria declarar apoio à candidatura do pedetista Ciro Gomes. 

O pedetista Ciro Gomes quer conquistar os votos de eleitores que se identificam com bandeiras de esquerda (Chico Peixoto/Estadão Conteúdo)
A pré-candidatura de Ciro Gomes à Presidência da República foi anunciada pelo PDT em dezembro de 2015. Desde então, o ex-ministro da Integração Nacional do governo Lula viaja pelo país e investe em declarações controversas para ganhar terreno entre os eleitores de esquerda. Em março, Ciro afirmou que receberia a “turma” do juiz Sergio Moro “na bala” para não ter de cumprir uma eventual ordem de prisão. Em outra ocasião, o ex-governador do Ceará e ex-ministro disse que o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), era um “farsante”.
Ciro, de 59 anos, vinha dizendo que não se candidataria à Presidência caso Lula estivesse no páreo, mas aos poucos tem mudado o tom de suas declarações. Na terça-feira, ele fez diversas críticas ao ex-presidente e o responsabilizou pela crise política do país. “Lula é sombra de mangueira. Não nasce nada embaixo. Está errado”, disse o pedetista ao jornal Valor Econômico.
O presidente do PDT, Carlos Lupi, disse que Ciro precisará honrar o compromisso firmado com a legenda. “Ele terá de acatar a decisão do partido. Tivemos em março a nossa convenção nacional, e a candidatura do Ciro foi confirmada por ampla maioria. É pouquíssimo provável que haja uma desistência, porque ele passa a ser um instrumento da unidade coletiva. Isso é preponderante diante de sua vontade pessoal.”
Lupi disse que a experiência de Ciro será um diferencial para conquistar o eleitorado, sobretudo a parcela que ficará “órfã” caso Lula seja impedido de concorrer. “Não creio que o país partirá para uma aventura. A população quer alguém que conheça a máquina e que já tenha sido testado. Podem ter ocorrido polêmicas e afirmações mais ásperas por onde o Ciro passou, mas nunca houve corrupção. Essa mazela ele não tem em seu histórico.”
O presidente do partido diz não contar com a possibilidade de Haddad sair como vice-presidente na chapa encabeçada por Ciro. “Houve conversas paralelas e sondagens, mas considero particularmente difícil, porque o PT não desistirá da candidatura do Lula.”

Jair Bolsonaro 

O deputado federal Jair Bolsonaro não definiu o partido que abrigará sua candidatura à Presidência (Dida Sampaio/Estadão Conteúdo)
O militar da reserva vinha externando o desejo de concorrer à Presidência desde 2014. Há 27 anos no Congresso, Jair Messias Bolsonaro, 62 anos, anunciou em março de 2016 a pré-candidatura pelo PSC, mas desavenças com o presidente da sigla, Pastor Everaldo, fizeram o deputado federal buscar um novo partido para se lançar ao cargo.
Bolsonaro afirma que o prazo limite para deixar o PSC é março de 2018, quando está marcada a próxima “janela partidária” – um projeto de reforma política pretende antecipar o prazo. O deputado já teve conversas com o PSDC, de José Maria Eymael, o PHS e o Muda Brasil, um projeto de partido capitaneado por Valdemar Costa Neto, condenado no Mensalão.
Apesar de flertar com siglas nanicas, Bolsonaro afirma que conseguirá vencer a eleição sem ter tempo de televisão nem fundo partidário. “As redes sociais terão um peso muito grande aqui no Brasil. Estou apostando que irá para o segundo turno quem tiver 22% das intenções de votos. O horário gratuito tem a sua importância, mas está perdendo força. Se eu for para o segundo turno, todo mundo estará em situação de igualdade.”
O deputado federal diz que a candidatura à Presidência é “uma missão de Deus” e que considera um “absurdo” ser classificado como um político de extrema direita por conta de seus posicionamentos conservadores e do apreço que nutre pela ditadura militar (1964-1985). A base de sua plataforma política, diz, será “diminuir a temperatura da questão da segurança no país”.

Alvaro Dias 

O senador Alvaro Dias (PR) é a aposta do Podemos para as eleições presidenciais (Divulgação/Agência Brasil)
Eleito senador pela quarta vez em 2014, Alvaro Dias deixou o PSDB no ano passado para se filiar ao PV. Em maio, o político de 72 anos trocou novamente de partido e passou a integrar o quadro do Podemos, que foi autorizado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a substituir o registro do PTN. Dias disse aceitou ser pré-candidato à Presidência após uma convocação de sua nova sigla.
Dias já foi vereador, deputado estadual e federal e governador do Paraná. Ele diz confiar no julgamento das “pessoas lúcidas” para não sofrer com o desgaste que atinge a classe política. “Espero que a população separe o joio do trigo e não generalize”, afirmou. “O politico modernizador não é aquele que tem pouca idade, mas aquele que tem a capacidade de fazer a leitura do dinamismo social e das mudanças que ocorrem na sociedade.”
O Podemos carrega o mesmo nome do partido de esquerda espanhol, mas, segundo Dias, terá um posicionamento político de centro e será liberal na economia. “A consulta popular nos indica que a maioria da população brasileira deseja isso”, disse o senador, que prefere identificar sua atual sigla como um movimento. “A Lava Jato completou a destruição dos partidos. Eles certamente serão julgados e condenados nas urnas.”

Rede 

A ex-senadora Marina Silva (Rede) deve concorrer à Presidência pela terceira vez consecutiva (NELSON ALMEIDA/AFP)
“Não temos outra alternativa que não seja Marina Silva. Ela é  nossa candidata a presidente e para quem eu trabalho nesse sentido”, disse o senador Randolfe Rodrigues (AP), a principal liderança da Rede no Congresso. A candidatura da ex-senadora de 59 anos é dada como certa pela sigla, mas Marina não manifestou publicamente o desejo de entrar na disputa pela terceira vez consecutiva.
Marina ficou em terceiro nas eleições de 2010 e 2014. Na última pesquisa Datafolha, ela somou 15% das intenções de voto e empatou tecnicamente com Bolsonaro na segunda colocação. Segundo Randolfe, a ex-senadora lançará uma candidatura “antissistêmica e contra o establishment que se tornou a política”.
Marina passou ilesa pelos escândalos de corrupção que devastaram Brasília, mas ouve cobranças para ser mais assertiva em seus posicionamentos. Randolfe afirma que as críticas são resultado da oposição feita pela Rede “aos dois pólos de poder, caracterizados por PT e PSDB”. “Alguém que se credencia dessa forma é atacado com mais intensidade. A Marina tem se manifestado no tempo dela, segundo a metodologia dela.”
Houve também especulações de que o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa poderia ser o vice-presidente de Marina. “Joaquim tem o perfil que a Rede pretende, mas essa é uma decisão unilateral dele”, disse Randolfe. “Farei o que puder para Joaquim se filiar ao partido. Estou convencido de que uma eventual chapa com ele e Marina teria enormes chances de conquistar as eleições.”

PSDB

O prefeito de São Paulo, João Doria, jura lealdade a Geraldo Alckmin e diz não querer concorrer à Presidência (Danilo Verpa/Folhapress)
Assim como o PT, seu histórico adversário, o PSDB sofreu com a implicação dos seus principais quadros em escândalos de corrupção. O senador Aécio Neves (MG), derrotado no segundo turno das eleições de 2014 por Dilma Rousseff (PT), foi varrido para fora da disputa presidencial após se tornar alvo de nove inquéritos no STF. Entre as ações investigadas está o pedido de dois milhões de reais que o senador teria feito ao empresário Joesley Batista, da JBS.
A pré-candidatura será disputada entre o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin – candidato ao Planalto em 2006 –, e o prefeito paulistano, João Doria. O senador José Serra (SP) – candidato em 2002 e 2010 – não descarta concorrer ao cargo, mas as menções ao seu nome nas delações de executivos da Odebrecht diminuíram seu capital político.
Alckmin, de 64 anos, foi o único que externou a vontade de ser presidente da República. Também citado nas delações da Odebrecht, o governador se fortaleceu dentro do partido ao defender por diversas vezes o desembarque tucano da gestão de Michel Temer (PMDB). Ele repetiu por diversas vezes que o compromisso da sigla deveria ser apenas com as reformas políticas. “Defendi lá atrás que o PSDB não ocupasse cargos [no governo]”, disse Alckmin, cujo partido tem quatro ministérios no governo.
A candidatura de Doria, de 59 anos, passou a ser vista com bons olhos pelo fato de o prefeito ser um “outsider” que passou incólume por escândalos. Doria, que jura lealdade à candidatura de Alckmin – seu padrinho político –, tenta ampliar o seu alcance político com viagens pelo Brasil e declarações duras contra o ex-presidente Lula e o PT. Falta, no entanto, fortalecer a sua imagem dentro do partido para bater de frente com o governador paulista.

PMDB 

O PMDB, do presidente Michel Temer, não deu mostras de que disputará o Planalto com candidato próprio (Cristiano Mariz/VEJA)
É o maior partido do Brasil, com sete governadores e as maiores bancadas na Câmara e no Senado. Também é a sigla do atual presidente da República, Michel Temer. Apesar dos números expressivos, o PMDB não deu mostras de que terá um candidato próprio à Presidência. “Ao longo dos anos, o PMDB ficou a reboque de partidos que não têm a sua história em troca de cargos e favores de governo”, disse o ex-governador do Rio Grande do Sul Germano Rigotto. “Rótulos de fisiologismo, clientelismo e outros piores grudaram no PMDB por isso.”
Rigotto declarou, em maio, que seria pré-candidato à Presidência pela sigla, mas diz ter feito o pronunciamento para mostrar que o PMDB tem nomes e condições de construir uma candidatura própria. “Eu não tenho mais mandato. Não tenho a visibilidade que um mandato dá”, afirmou. “Mas o PMDB tem que construir uma candidatura e empurrá-la com a força que o partido tem em todo Brasil, com bons tempos de rádio e televisão, para ser uma alternativa a todo esse processo político. Quem deve ser? É preciso buscar um nome nos próximos meses.”
Contra a proposta de Rigotto pesam os altos níveis de rejeição ao partido. Todas as lideranças do PMDB foram implicadas em escândalos, sendo que os ex-deputados federais Eduardo Cunha (RJ) e Henrique Eduardo Alves (RN) e o ex-governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral estão presos. Temer é alvo de denúncia por corrupção passiva, enquanto os senadores Renan Calheiros (AL) e Romero Jucá (RR) – presidente do partido – estão atolados em denúncias.

Surpresas 

O ex-ministro do STF Joaquim Barbosa já conversou com a Rede e o PSB (Nelson Jr./SCO/STF/Divulgação)
Ser vice de Marina Silva não é a única opção para Joaquim Barbosa, de 62 anos, Além de ter conversado com a Rede, o ex-ministro do STF se reuniu com dirigentes do PSB. A oferta do partido socialista seria uma candidatura própria à Presidência. “A decisão de me candidatar ou não está na minha esfera de deliberação. Só que eu sou muito hesitante em relação a isso. Não sei se decidirei positivamente neste sentido”, disse Barbosa no início de junho.
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, de 71 anos, chegou a ser especulado como substituto de Temer em uma eventual eleição indireta. O PSD, partido ao qual Meirelles é filiado, não trata de nomes publicamente. Em nota, o presidente em exercício da sigla, Alfredo Cotait Neto, disse que a legenda “possui bons quadros e buscará lançar candidatura própria também na disputa presidencial”.
Já o senador Cristovam Buarque (DF), de 73 anos, disse que poderia repetir a candidatura presidencial que lançou em 2006 caso fosse do interesse do PPS. “Não vou pleitear, mas se o PPS quiser, estou disposto e pronto. Numa disputa em que vemos pesquisas com a cara do passado, com a cara de Lula e Bolsonaro, creio que qualquer político tem o direito de estar disponível para concorrer à Presidência”, disse. Cristovam afirmou que encontra simpatia para se candidatar à Presidência entre as bases do partido, mas nunca chegou a tratar do assunto com os dirigentes do PPS.
Principais candidatos às eleições de 2018, segundo cientistas políticos: Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede), Fernando Haddad (PT), João Doria (PSDB), Joaquim Barbosa (sem partido), Ciro Gomes (PDT), Lula (PT) e Jair Bolsonaro (PSC e correm por fora: Luciano Huck e Henrique Meireles.

A aproximadamente um ano do período da propaganda eleitoral no rádio e na TV da próxima eleição presidencial, caso agosto seja mantido como o mês do início do horário ‘gratuito’, vários nomes da política brasileira começam a se apresentar como postulantes da disputa de 2018.

                                   *********************
Os pesquisadores fazem comparações entre os contextos das disputas de 1989 e de 2018. Assim como hoje, aquele ano esteve marcado por forte crise econômica e política. Enquanto lá o eleitorado retornava às urnas depois do golpe militar em 1964, há pouco viu uma presidente ser afastada da Presidência. “Nem com (Fernando) Collor (presidente eleito em 1989), você teve um clima de partidos tão destroçados e uma política de tão pouca credibilidade como se tem hoje”, compara Carlos Melo, professor do Insper.
A professora de Ciência Política da UFMG Mara Telles ressalta o sentimento impregnado nos dois momentos.
“Em 1989, era a esperança, 2018 é a eleição do desalento”, diz. Mas em 1989, bons candidatos como Mário Covas, Ulysses Guimarães e até Leonel Brizola nem chegaram ao segundo turno, disputado entre Fernando Collor “o caçador de marajás” e Luiz Inácio Lula da Silva, o “operário salvador”, vencido por Collor.  Quem será o presidente eleito em 2018?
Veja abaixo quais são os oito nomes levantados pela reportagem com os acadêmicos da ciência política para a disputa do ano que vem.

Fonte: http://politica.estadao.com.br/












terça-feira, 10 de outubro de 2017

CHINA PODE EVITAR GUERRA NUCLEAR



Vitória/ES, Brasil, 10 de outubro de 2017
Exmo. Senhor
Li Jinzhang,    
                                                                                                                            DD. Embaixador da República Popular da China no Brasil
Cordiais saudações!
Senhor Embaixador:

Peço-lhe fazer chegar ao governo da República Popular da China, minha admiração pela mediação do gravíssimo conflito dos Estados Unidos da América com a Coreia do Norte, porquanto há sérios riscos de uma guerra nuclear, pois os dirigentes desses países são intempestivos.
Segue abaixo o texto: TRUMP ACELERA o “Relógio do Apocalipse”: fim do mundo é o mais próximo desde 1953.

Atenciosamente,
Theodiano Bastos, presidente do CEPA – Círculo de Estudo, Pensamento e Ação (www.cepa.ufes.br

ANEXO
TRUMP ACELERA o “Relógio do Apocalipse”: fim do mundo é o mais próximo desde 1953
Anna Virginia Balloussier           
A estratégia de Trump: convencê-lo de que o louco é você
“Não, você não está louco. Ainda que Donald Trump queira convencê-lo do contrário.
Esse texto está no blog: theodianobastos.blogspot.com
Na Trumplândia, onde jornalistas são "os humanos mais desonestos da Terra", pouco adianta mostrar vídeos do novo presidente dos EUA afirmando isto ou aquilo. "Errado! Notícias falsas! Triste!", eis sua trinca favorita para rebater a informação que o desagrada.”  http://www1.folha.uol.com.br/ 04/01/17
Eleição de Trump deixou o horário mais perto da meia-noite, perdendo apenas para o ápice da Guerra Fria
Confesso que estou muito assustado com o Trump, porquanto ele carrega para onde vai uma maleta com o dispositivo para acionar o aparato atômico dos Estados Unidos. Há uma corrida em todo mundo para conhecer o teor do livro "1984"
Consta nas Professias de Nostradamus (1.503/1.566) que a batalha do Armagedom (um vale ao lado do Monte Carmel em Israel, perto do Iraque), marcará o final dos tempos, e o “Livro das Revelações” das Bíblia tem um texto fantástico e confuso de São João, dizendo que surgirão as figuras sinistras de Gog e Magog e os quatro cavaleiros do Apocalipse: morte, fome, peste e guerra. Leiam o que segue:
O fim do mundo está mais próximo com a eleição de Donald Trump, segundo os cientistas do The BulletinoftheAtomicScientists (O Boletim dos Cientistas Atômicos, ou BPA na sigla em inglês). O grupo divulgou a nova posição dos ponteiros do Relógio do Apocalipse, nesta quinta-feira. Agora, eles marcam 23:57:30, ou seja, dois minutos e meio para o fim. O relógio, uma metáfora do risco de uma catástrofe que extermine a raça humana, marcava três para meia-noite em 2016.
Apesar de ser desenvolvido por cientistas, o relógio não é um instrumento científico e sim um aviso às autoridades e sociedade. “Não queremos gerar pânico, apenas esperamos que isso chame a atenção”, disse Rachel Bronson, diretora executiva e editora do boletim, em coletiva. O horário é decidido anualmente pelo Comitê de Ciência e Segurança do BPA, composto por físicos e cientistas do mundo todo que acumularam 15 prêmios Nobel.
As principais razões para o relógio ser adiantado em 30 segundos foram as armas nucleares, mudanças climáticas e, especialmente, a eleição de Trump. O boletim informa que durante 2016, a segurança global decaiu devido a falha da comunidade internacional em frear as mudanças climáticas e a produção de armas nucleares. EUA e Rússia seguem em desacordo e continuam modernizando sua tecnologia nuclear e fornecendo armamento a diversas partes do mundo.
A Coreia do Norte, por sua vez, realizou o quarto e o quinto testes nucleares subterrâneos e indicou que continuará a desenvolver suas armas nucleares. Índia e Paquistão também se enfrentaram em Kashimir, depois que militantes atacaram duas bases das forças armadas indianas.
Já as emissões de carbono, apesar de não terem aumentado em 2016 em relação a 2015, também não diminuíram e Terra está cada vez mais quente. Segundo os cientistas, para evitar temperaturas catastróficas, a emissão de gases tem que diminuir muito mais que o acordado em Paris.
É nesse cenário em que Donald Trump foi eleito com uma campanha cheia de declarações polêmicas sobre armas nucleares e o aquecimento global. O presidente chegou a afirmar que as mudanças climáticas são uma invenção para se derrubar a indústria norte-americana. Além disso, a espionagem russa aos presidenciáveis americanos, deixou a relação entre os dois países ainda mais abalada.
Com receio das futuras atitudes de Trump, o BPA alerta: “A decisão desse Comitê em mover o relógio em menos de um minute reflete uma simples realidade: no lançamento desta publicação, Donald Trump é o presidente dos Estados Unidos há apenas poucos dias”.
O mais próximo que o relógio esteve da meia noite na história foi em 1953, quando os cientistas passaram os ponteiros para 23h58 por causa dos testes de bombas de hidrogênio realizados pela Rússia e Estados Unidos. Em 1991, o relógio apontou 17 minutos para a meia-noite, o mais longe do “ponto apocalíptico” da história.
O relógio
The BulletinoftheAtomicScientists foi criado em 1945 na Universidade de Chicago por um grupo de cientistas que esteve por trás do Manhattan Project, que ajudou a desenvolver as primeiras armas nucleares. Dois anos depois, em 1947, eles criaram a metáfora do “Relógio do Juízo Final”, uma forma de medirmos quanto perigo sofre a humanidade. No site do grupo, os cientistas disponibilizam uma linha do tempo com todos os ajustes realizados nos ponteiros do famoso “Relógio do Juízo Final”                                                               Fonte: http://veja.abril.com.br/ 26/01/17